Travessias

URI Permanente para esta coleção

Travessias é uma publicação do Grupo de Pesquisas em Educação, Cultura, Linguagem e Arte e do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Sociedade da Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O projeto tem como objetivo divulgar pesquisas e estudos de professores e alunos pesquisadores ligados à educação, cultura, linguagem e arte, aos pesquisadores que pesquisam sobre essas temáticas sob as formas de artigos, ensaios, imagens e sons, documentos e fontes, resenhas, traduções e criação literária.

Descrição

  • Mantenedor: UNIOESTE
  • Tipo: IESE
  • Região: Sul
  • Cidade: Cascável | PR
  • ISSN: 1982-5935
  • Qualis: A3
  • Periodicidade: Quadrimestral
  • E-mail: revista.travessias@unioeste.br
  • Título abrev.: Travessias
  • Link de acesso ao site
  • Navegar

    Submissões Recentes

    Agora exibindo 1 - 5 de 180
    • Item
      Relação fala e escrita no processo de alfabetização: registros gráficos do “r” fraco e do “r” forte em produções escritas
      (2023) DINIZ, Ana Caroline Montrezol; BUSSE, Sanimar
      Este artigo tem por objetivo apresentar, a partir da aplicação de um ditado, dados de ocorrências de desvios relacionados à representação gráfica do “R” forte (fricativa velar, glotal ou vibrante alveolar múltipla) e do “r” fraco (tepe) em produções escritas de alunos de duas turmas do 2º Ano do Ensino Fundamental de instituições públicas de ensino. Teoricamente, esta pesquisa está inserida no campo da Linguística Aplicada e, metodologicamente, direcionada ao estudo pelo paradigma qualitativo com abordagem interpretativista, e o método de investigação utilizado é a pesquisa-ação, posto que as pesquisadoras estão inseridas no contexto analisado. A investigação realizou-se por meio da elaboração e aplicação de uma Unidade Didática de cunho diagnóstico, cujos resultados demonstram a sobressalência de realização do “r” fraco em contextos mediais intervocálicos em que se esperava o emprego do “R” forte, evidenciando a influência da oralidade na escrita, uma vez que identificamos na fala dos participantes essa realização, como resultado das línguas de imigração de origem europeia, principalmente, germânica, presente na comunidade. Os desvios motivados pela interferência do dialeto do aprendiz podem ser tomados como elementos que condicionam o nível de reflexão fonético-fonológica da língua e do conhecimento da ortografia. Diante dos dados coletados, observa-se a importância de os professores aprofundarem seus conhecimentos acerca do nível fonético-fonológico da língua para que possam compreender a natureza dos desvios apresentados pelos alunos e conduzi-los à compreensão do funcionamento da língua e do sistema de escrita alfabética.
    • Item
      Os sentidos discursivos instaurados no logotipo e slogan “Pátria Amada Brasil”
      (2023) CASTRO, Carlos Fabrício de Souza Ribeiro de; SILVA, Keyla Lima da; AGUERO, Rosemere de Almeida
      Os sentidos que atravessam o logotipo e slogan intitulado “Pátria Amada Brasil”, veiculados durante o governo de Jair Bolsonaro, são analisados neste trabalho com o objetivo de verificar as práticas discursivas instauradas pelo sujeito enunciador desse discurso, bem como os efeitos de sentido mobilizados na cadeia do dizer, no âmbito do corpus mencionado. Busca-se também verificar se os sentidos instaurados em “Pátria Amada Brasil”, quando cotejados com os efeitos de “Brasil, ame-o ou deixo-o", veiculado durante a Ditadura militar, no século XX, evidenciam a existência da memória discursiva em seu aspecto de repetição (interdiscurso) ou se ocorre também deslizamentos de sentidos. As análises são realizadas pelo viés da Análise do Discurso (AD) à luz da teoria de Michel Pêcheux. A metodologia inclui o fechamento do espaço discursivo, o levantamento das condições de produção, a individuação das formações discursivas (FD), dos efeitos de sentido presentes nos discursos e a memória discursiva. As análises mostram que os sentidos que atravessam o slogan “Pátria Amada Brasil” instauram a releitura dos efeitos presentes no enunciado “Brasil, ame-o ou deixo-o", estabelecendo a regularização dos sentidos e a legitimação de valores presentes na sociedade nos anos da Ditadura. Ambos evidenciam práticas discursivas que se ancoram em discursos ideologicamente autoritários, que legitimam a presença do Estado repressivo, o uso da força para a extinção de uma imaginária ameaça comunista, mobilizando efeitos positivos para o nacionalismo e o patriotismo com o objetivo de moldar o comportamento dos sujeitos.
    • Item
      Análise da dessonorização e da sonorização das consoantes oclusivas e fricativas do português em contato com o alemão
      (2023) SCHNEIDERS, Michele; BUSSE, Sanimar
      Este artigo tem como temática a variação de dessonorização e sonorização das consoantes oclusivas e fricativas do português em contato com o alemão, sendo o objetivo geral da pesquisa analisar o fenômeno de dessonorização e sonorização das consoantes oclusivas e fricativas do português em contato com o alemão em falantes bilíngues de três localidades do Extremo Oeste de Santa Catarina a partir dos dados coletados pelo Atlas das Línguas em Contato na Fronteira (ALCF), projeto de pesquisa vinculado à Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Chapecó (SC). A análise é pautada na seguinte pergunta de pesquisa: quais contextos extralinguísticos atuam como condicionadores para a realização da variação de dessonorização e sonorização das consoantes oclusivas e fricativas do português em contato com o alemão? A base teórica e metodológica da Dialetologia Pluridimensional e Relacional orienta a análise (RADTKE; THUN, 1996; THUN, 1998; 2005; 2010), a qual descreve a língua a partir de diferentes dimensões. Neste estudo, investigamos a variação por meio da dimensão diatópica, diastrática e diageracional. Como resultado, os dados revelam que tanto a variação de dessonorização quanto a de sonorização ocorre na fala dos bilíngues, sendo que a idade junto à baixa escolaridade são fatores importantes no condicionamento dos fenômenos.
    • Item
      Representação
      (2023) SOUZA, Gustavo Tanus Cesário de
      Poema sobre as relações de pesquisa, nas ciências humanas. A voz poética oscila em tomar o ponto de vista do objeto, que é sua própria realidade, e a do estudante que está. Nas duas perspectivas são percebidas várias questões sobre a representação, em que se elaboram críticas sobre a academia.
    • Item
      Por um outro princípio epistemológico e metodológico na educação: a transdisciplinaridade
      (2023) AGUIAR, Leidiane Marques de; DAL MOLIN, Beatriz Helena
      Este artigo tem por objetivo tecer sobre a necessidade de um outro princípio epistemológico e metodológico na educação: a transdisciplinaridade. A partir do prefixo ‘trans’, a transdisciplinaridade surge com o propósito de superar o conceito disciplinar e tem preocupação em reconhecer diferentes níveis de realidade a partir da lógica não-clássica do terceiro incluído, que podemos entender, no processo educacional, como a inclusão do estudante cognoscente e a existência de uma terceira possibilidade para além da dualidade clássica imposta (A e não-A). Este estudo teórico seguiu pelo caminho da Linguística Aplicada (LA), foi realizado durante o processo de doutoramento da primeira autora, sob a orientação da segunda autora, e teve como objetivo compreender o paradigma da transdisciplinaridade como outro fundamento teórico-metodológico educacional, especialmente na Academia. O trabalho tem como aporte teórico, fundamentalmente, os autores filósofos franceses contemporâneos, Gilles Deleuze e Félix Guattari (2012a, 2003), o físico teórico, Basarab Nicolescu (1999), o sociólogo, Edgar Morin (2020, 2015, 2011), e o filósofo, Sílvio Gallo (2013), entre outros interlocutores. Como resultado da pesquisa realizada, compreendemos a imprescindibilidade de mudança paradigmática na educação, com o intuito de efetivar uma educação transdisciplinar, emancipadora e coerente com o século atual, capaz de compreender a complexidade do tempo presente, de integrar educação e vida, de religar saberes, de envolver-se pela metodologia da incerteza e pelo direito ao erro e reconhecer, sobretudo, o estudante – multidimensional - como protagonista de seu processo de aprendência.
    Os autores que publicam no periódico concordam com o texto simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Atribuição - Não Comercial - Compartilhar Igual 4.0 Internacional -